30 julho 2007

Bovespa segue turbulência global e cai quase 4%
SÃO PAULO (Reuters) - A Bolsa de Valores de São Paulo voltou a cair quase 4 por cento nesta quinta-feira, apagando o ganho do mês. O aumento da aversão a risco no mundo provocou forte movimento de vendas de ações.
O principal indicador da bolsa paulista encerrou em baixa de 3,76 por cento nesta sessão, a 53.893 pontos. Nenhum dos 59 papéis do Ibovespa subiu. Na mínima do dia, o índice chegou a cair 6 por cento.
A queda desta quinta-feira reduziu o ganho em 2007 a 21,2 por cento e fez a bolsa entrar no vermelho no mês. Até segunda-feira, ela acumulava alta de quase 7 por cento em julho.
"O mercado estava um pouco otimista demais. Estava subindo muito rápido, em uma velocidade que obviamente não dava para sustentar por muito tempo", disse Jacopo Valentino, diretor de renda variável da BNP Asset Management.
"Mas nada muda no cenário das empresas. Tem que ficar de olho, quando chegar um preço razoável, esquecer um pouco do sentimento de curto prazo, e voltar a comprar", complementou, sem descartar, no entanto, que a bolsa brasileira passe por um pouco mais de ajustes.
As blue chips Companhia Vale do Rio Doce e Petrobras perderam 3,72 por cento e 4,63 por cento, respectivamente, e o volume financeiro da Bovespa ficou em 6 bilhões de reais ---bem acima da média diária do ano, de 4,1 bilhões de reais.
"O momento é de observação para o gestor. Não mudamos ainda o nosso cenário de 'inércia positiva' para o mercado brasileiro até o final de 2007, (mas)... a melhor opção neste momento é a cautela", afirmou a Modal Asset Management em relatório.
O dia foi agitado desde a abertura. Logo nos primeiros 15 minutos, a bolsa já caía mais de 3 por cento, com notícias sobre um hegde fund da Austrália que suspendeu resgates para evitar uma saída em massa de investidores, aumentando a preocupação com o mercado de crédito e o setor imobiliário nos Estados Unidos.
O temor principal de investidores é que o mercado esteja deixarndo de ter o ambiente de forte liquidez global que experimenta há meses

Nenhum comentário: